google-site-verification: google0decf4d5dff2e927.html www.jornaldealvorada.com
 

Mesmo com a pandemia, indústrias do 'mercado pet' projetam crescimento em 2021


O mercado pet em tempos de pandemia tem tido um bom crescimento nesse período, reflexo de um setor que já vem em ascensão nos últimos anos. De acordo com o IBGE, existem mais de 139 milhões de animais de estimação no país. Por trás deles, donos ávidos por novidades para agradar seus bichinhos. O resultado é um mercado aquecido, que deve atingir um faturamento de R$ 20 bilhões em 2020. Hoje, o Brasil é o segundo maior mercado pet do mundo, com 5% da fatia do faturamento global, de US$ 124,6 bilhões.

Da mesma forma que humanos estocaram alimentos e medicamentos, por exemplo, os donos dos pets também se preocuparam em garantir a alimentação e saúde de seus bichos de estimação. Desde o início da pandemia, o setor disparou em 30%.

As medidas de prevenção estabelecidas para o combate à pandemia do novo coronavírus, com o fechamento de alguns estabelecimentos comerciais e a determinação de distanciamento social, também afetaram a rotina de pet shops e clínicas veterinárias. Apesar de considerados serviços essenciais, eles têm funcionado com algumas restrições, como, por exemplo, em relação aos serviços de banho e tosa, que não estão autorizados em muitas localidades do país.

De acordo com a analista do Sebrae, Hannah Salmen, agora é o momento de buscar diminuir os prejuízos causados pela pandemia e aproveitar o período de confinamento em casa para incentivar, junto aos clientes, atividades que possam gerar mais conexão entre o tutor e os seus bichinhos de estimação. “Passar mais tempo em casa significa ampliar essa conexão, estar mais atento à sua alimentação, ao enriquecimento ambiental, com atividades que possam demandar brinquedos e outras atividades”, analisou.

Felipe de Carvalho Moura, CEO da Pet Moura, empresa que está no mercado pet há 25 anos desenvolvendo softwares para o mercado, observou que: “Na terceira semana de março foi visível o susto e a mudança de comportamento dos consumidores, quando as 1.800 lojas espalhadas pelo Brasil, que são clientes de nosso software tiveram o aumento de 75% na venda de ração e medicamentos. Depois logicamente caiu abaixo do fluxo normal nas semanas seguintes, entretanto, agora, praticamente todas estão com seu fluxo normalizado”, avaliou o empresário.

Para Moura o mercado pet foi um dos menos atingidos com a crise. “De uma maneira geral o segmento pet foi muito menos atingido, praticamente na minha avaliação, já está praticamente entrando no ritmo normal quando falamos da ponta, o consumidor final, avaliou..




 
Jornal de Alvorada