google-site-verification: google0decf4d5dff2e927.html www.jornaldealvorada.com
 

Presos suspeitos de integrar quadrilha que roubava cargas de eletrônicos vendidos pela internet


Foto: Ronaldo Bernardi/Agência RBS


A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta quarta-feira (11), operação em Viamão e em Alvorada contra uma quadrilha especializada em roubar cargas de eletrônicos comprados pela internet. Em 45 dias de investigação, foram contabilizados cinco roubos na Região Metropolitana e um prejuízo superior a R$ 100 mil em produtos roubados.

Dois suspeitos foram presos nesta manhã, e um terceiro já havia sido detido nos últimos dias. Contudo, mais pessoas são alvo dos investigadores.

A apuração apontou que o grupo agia apenas durante a entrega de determinados produtos e de pelo menos duas grandes empresas que possuem plataforma de venda online. Segundo o delegado Júlio Fernandes Neto, titular da 2º Delegacia de Viamão e responsável pelo caso, a quadrilha tinha informações privilegiadas e interceptava apenas cargas de eletrônicos que eram entregues a consumidores nos dois municípios onde a ofensiva foi realizada.

Nesta manhã, cerca de 50 policiais cumpriram cinco mandados de busca e dois de prisão preventiva. Os alvos, conforme a investigação, são dois ladrões que agiam armados e sempre com violência.

Uma mulher, que seria a motorista do grupo, bem como um suspeito de informar sobre as cargas e os receptadores também são investigados. Devido à Lei de Abuso de Autoridade e também pelo fato de que o trabalho da polícia continua, os nomes dos presos não foram divulgados.

O delegado Neto diz que a investigação já contabilizou cinco roubos praticados por estes criminosos, em Viamão e em Alvorada, no período de um mês e meio. A polícia apura se outras empresas que vendem produtos pela internet também foram lesadas pela quadrilha.

— Com as apreensões e os depoimentos, esperamos por novas provas contra o grupo e, assim, identificar mais suspeitos e conferir se houve mais roubos, bem como mais empresas lesadas. Além das plataformas de venda online, empresas distribuidoras também são vítimas — explica Neto.

 
Jornal de Alvorada